quarta-feira, 27 de julho de 2011

EL-REI DOM MANUEL II NO BUÇACO

O Rei Dom Manuel II e o Duque de Wellington (neto) fotografados no Bussaco em 1910
(Clique na imagem para ampliar)
Um dos últimos acontecimentos que teve participação real decorreu quanto das comemorações dos cem anos da batalha do Bussaco , no dia 27 de Setembro de 1910.
O Rei deslocou-se ao Bussaco em comboio especial naquele que foi um dos últimos actos públicos do Governo e da Monarquia participando directamente nas cerimónias com grande brilhantismo e com a presença de altas personalidades, entre elas o neto do Duque de Wellington, Lord Arthur Charles Wellesley, neto do Duque General. Presentes também os ministros da Guerra e dos Negócios Estrangeiros que acompanharam o Rei na sua deslocação.
Durante a visita, que decorreu com pompa e circunstância, não deixou de se respirar o pesado ambiente de instabilidade politica que se vivia na altura e que terminou alguns dias depois na revolução republicana do cinco de Outubro. El-Rei Dom Manuel inaugurou o Museu Militar do Buçaco, instituição que subsiste hoje associada na sua fundação à figura do Rei e ao seu pequeno reinado.
O cenário posterior é o muro da mata junto à Porta de Sula, local onde se travou parte da batalha.
(Clique na imagem para ampliar)
El Rei empunha a bandeira do centenário perante o Bispo que procede à benção do estandarte. Na mesma foto , em cima, o pelotão fardado à época em plena missa campal. (Revista Brasil-Portugal). Depois desta cerimónia Dom Manuel reinou apenas sete dias, até ao 5 de Outubro.
___________________________

Terça Feira, 27 de Setembro de 1910

Bussaco – 1º Centenário da Grande Batalha

Dormi bem. Ás 9 ½ almoço. Ás 10 h. parti com o Sbugosa e Duque de Wellington para o Alto da Serra onde o Bispo Conde d’Arganil, Prelado de Coimbra, benzeu a bandeir...a do Centenário, e disse Missa Campal. Espectaculo único. Não se descreve. Depois houve inauguração do Monumento. Seguiu-se revista das tropas, inauguração do museu, e por fim almoço militar na esplanada junto à Capella. Eram 3 h . quando começou o almoço que foi lindíssimo. Discursaram Coronel A. Costa, Duque de Wellington, José d’Azevedo ( Superior) e El-Rei muito bem.
Ás 16 h da noite houve no Paço uma espécie de ceia-jantar com vários convidados taes como Generais, Bispo Conde, Rapozo Botelho (Ministro da Guerra) José d’Azevedo Castello Branco (Ministro dos Negócios Estrangeiros), Duque de Wellington, e o famoso Professor Charles Oman que ficou ao pé de mim para a conversa.
Depois desta refeição ainda fomos todos com El-Rei para as sallas do Hotel onde ficamos muito tempo. Não gosto de ver El-Rei na intimidade de toda a gente. Não deve ser.
Muitos milhares de pessoas.
O tempo menos mal.
NOTAS
O Duque de Wellington que veio ao Bussaco no dia 27 é um homem alto, elegante, de 60 anos pouco mais ou menos. Chegou no Sud-Express veio ao Hotel vestir-se com o uniforme de Granadeiros da Guarda com a sua enorme barretina de pelle d’urso. Trazia a Gran-Cruz da Jarreteira e o Collar da Águia Negra. Quando chegou ao pé d’El-Rei poz o joelho em terra e beijou-lhe a mão deante de muita gente. Estavam presentes todos os correspondentes dos jornais e nenhum relatou o facto. É por medo de offender a canalha.
Havia na festa do dia 27 uma guarda d’honra vestida com uniformes de há 100 annos. Sargento com um chuço, um pífaro, e um tambor. Não gostei. Dava um tom de mascarada no meio das tropas d’agora. Lembrava o enterro do bacalhau como d’antes se fazia em Sabbado d’Alleluia.
Por ordem d’El-Rei e por eu falar Inglez estive sempre com o Duque de Wellington durante dois dias e companhei-o até ao Avenida Palace. Teve por ajudante de Campo aqui o Capitão do Estado maior de Artilharia Ivens Ferraz. O Duque deu, tanto a este official como a mim, uma gravura de Burgess copia do retrato do seu glorioso avô pintado por Sir Thomas Lawrence.
Fonte: Diário do Conde de Mafra, D. Thomaz de Mello Breyner - que me foi enviado por José Tomaz de Mello Breyner que agradeço com um bem haja!

3 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Isto prova bem o pouco fiável que é o nosso exército. Uma semana antes da outubrada, lá estavam todos a beijar a mão ao Rei. Depois, foi o que se viu. As juras à Bandeira de nada servem e não nos admiremos muito se um dia destes passarem a considerar a verde-tinto a pior coisa do mundo.

Maria Menezes disse...

Gosto da "outubrada" e foi mesmo... e quanto à verde-tinto já é considerada a bandeira mais feia do mundo... veio até num jornal estrangeiro há uns anos.

Rogério Silva disse...

Bem haja Sua Majestade El Rei D. Manuel II, em toda a sua magnificência! Sempre presente o meu querido Rei!
Paz à sua alma!
Bem haja Sua Majestade!
...belo testemunho histórico! É disto que precisamos, é disto que o país precisa para avivar a memória do Rei!...