quarta-feira, 16 de março de 2011

CRIME!!!

(Clique na imagem para ampliar)
O Estado português continua empenhado em desmantelar o património herdado da Monarquia Portuguesa com o horroroso caixote deste arquitecto brasileiro!!!
Dinheiro que devia ser utilizado para a manutenção de tantos monumentos históricos em ruínas!!!
É um crime meterem os Coches numa caixa de vidro! Prefiro um museu do que mais um condominio fechado a RIR-SE de quem só tem dinheiro para olhar (enquanto não tivermos também de pagar para isso).
Realizar um projecto destes sem concurso público e sem consultar as populações é digno de uma República Africana das Bananas!!!

6 comentários:

Real Associação do Médio Tejo disse...

Isto é a República Popular de Portugal ou República Socialista de Portugal!!!!!! :(

Maria Menezes disse...

Já não somos nada! Apenas um bananal... lol
Bjs

Jaime Eusebio disse...

Realmente...eu até sou pela evolução quando é para melhor, mas este projecto é uma grande desilusão…é de uma fealdade estéril, sem graça e contrastante com o elaborado trabalho e estilo da maior parte dos Coches. É certo que o Picadeiro Real talvez não seja a melhor solução por causa da humidade e dificuldade de manutenção e preservação do espolio. Mas este bunker não tem qualquer sentido. Ainda por cima com tantos bons arquitectos modernos que temos ai em Portugal, alguns deles entre os melhores do mundo, logo foram escolher um brasileiro. Mas pronto assistimos à betonagem de Portugal, e é preciso construir seja lá o que for…este projecto é um grave erro, e decerto ainda se vai descobrir alguma marosca relacionada com tamanha pressa em aprovar o Projecto e começar a construir. Sobretudo numa altura de crise profunda , é verdadeiramente criminoso. Mas é só mais um sintoma do desnorte total deste País(?) A desorientação irá continuar, infelizmente, continuaremos a avançar mais e a passos largos para uma grande convulsão nacional; enquanto Portugal não perceber o que é importante para si próprio, enquanto as armas do Rei de Portugal não voltarem a dar um Centro a toda este colossal desvio daquilo que é o bem comum de um país e de uma nação 9 vezes centenária. Força Continue, e viva El~Rei!

Maria Menezes disse...

Jaime Eusébio, é desleixo na manutenção do património português porque o dinheiro para isso vai para os bolsos desta corja republicana que se estão borrifando para tudo o que os nossos Reis e Rainhas nos deixaram. Também querem acabar com o hospital Dona Estefânea. Já assassinaram o Terreiro do Paço, etc. por aí fora.
São uns miseráveis assassinios!!! Isto já não é Portugal nem nada. Vivemos numa selva e estamos entregues à bicharada!!!
É bom que Portugal bata no fundo de vez para depois chamarem o Rei para levantá-lo das cinzas!!! Eu já estou por tudo!
Obrigada pela sua visita!

James disse...

Não sei pq deixei como Jaime Eusebio que é o meu name, claro, mas sou o Jaime que ja conheçe de comentar aqui de vez em quando. Também concordo consigo, e era nesse sentido que ia a minha resposta. Batendo no fundo, Portugal irá perceber que tem que chamar os reis de volta, tal como nas palavras sabias de Alexandre Herculano.

Miguel disse...

Já alguém reparou que só com muito sentido de humor negro é que se pode dizer que Portugal ainda sequer é independente?

O Picadeiro de Belém é daquelas obras que se enquadram na categoria de «Belezas de Estilo Que Nunca Mais Se Há-De Usar de Novo». Estamos reduzidos a uma mentalidade artística segundo a qual o que é moderno tem de ser mamarráchico, isto é, ou é uma massa disforme ou é um quadradão sem graça. Veja-se, por exemplo, a nova estação ferroviária de Lagos, mais uma exorbitante e injustificada despeza. A antiga, um belo e equilibrado edifício, revestido de azulejos, colorida e muito trabalhada, foi abandonada e está hoje à mercê do vandalismo e foi substituído por uma nova estrutura, mesmo ao lado, uma espécie de paralelepípedo preto. Porquê?! Um gasto sem necessidade, de péssimo gosto e sem nada de tipicamente português. Três características comuns a quase todos os modernos edifícios públicos. Faz falta um renascimento artístico em Portugal.

Numa época destas, faz falta bom senso, que é coisa que a nossa classe política nem sequer aprendeu, quanto mais esqueceu.